quinta-feira, 14 de junho de 2018

Quando "gamifiquei" o meu casamento - opinião por Micael Sousa

Quando me casei pensei bastante sobre esse dia, especialmente de como tinham sido aborrecidos tantos casamentos em que tinha participado. Tinha de arranjar uma forma de evitar isso no meu próprio casamento, especialmente para quebrar as barreiras entre pessoas que não se conheciam. Então lá planeamos a coisa com várias atividades, desde as mais comuns a até uma que foi uma verdadeira inovação.

Fonte da imagem: https://www.cultofpedagogy.com/classroom-icebreakers/

Pensamos naquelas coisas normais como os comes e bebes, num DJ, em karaoke e afins, garantindo animadores entre os convidados - que é a forma mais natural e informal de fazer a coisa. A boa disposição e jovialidade dos nossos convidados, tal como uma grande variedade de bebidas espirituosas, iria ajudar. Pedimos também para levarem chapéus divertidos para o baile da noite. Tendo em conta alguns convidados muito dados a essas paródias, só podia resultar. Alguns dos próprios convidados organizaram surpresas que contribuíram para a diversão e envolvimento dos restantes convidados.

Mas foi o jogo que trouxe novidades surpreendentes. A ideia foi simples. Organizámos os convidados por mesas como é hábito. Mas os nomes das mesas foram definidos com alusões aos convidados e não a nós. Isso inclui-os mais na festa. Em cada mesa existia um resumo de curiosidades sobre tradições de casamentos, sendo uma forma de dar temas de conversa caso faltassem - podem ver os conteúdos aqui. Junto a esses escritos havia uma ficha de participação no jogo. Cada mesa tinha de fazer corresponder o nome das outras mesas a um conjunto de pistas sobre os convidados sentados em cada uma delas. Ou seja, havia uma caixa com múltiplas informações de histórias e características divertidas de cada pessoa sentada em cada mesa. Só era preciso identificar o nome de cada uma delas e onde se sentavam. Isto obrigava a que cada mesa trabalhasse em equipa e tivesse de se deslocar e fazer contactos entre si e demais mesas. Como as pistas eram divertidas gerou-se a oportunidade justificada pelo jogo para que os convidados conversassem sobre assuntos pessoais hilariantes. 

Estava com receio de ninguém ligar ao jogo. Mas não foi nada disso que se verificou! Gerou-se um movimento que durou todo os almoço e início de tarde. Havia quem estivesse interessado apenas nos brindes, mas notou-se que pelo menos 2 a 3 pessoas por mesa levaram a coisa a sério. Foi competitivo. Quando algumas mesas que estavam mais desligadas começaram a receber solicitações entraram no jogo. Ninguém queria ficar atrás. A uma determinada altura havia grupos de pessoas de várias idades a circular entre mesas, constituídos por pessoas que nunca se tinham conhecido antes. Foi impressionante.

No final encontrámos um vencedor e o prémio distribuído por todos os elementos da mesa. Eram peças divertidas, como perucas, óculos, chapéus e afins para serem utilizados no baile da noite. Durante o baile já os adereços circulavam por todas as pessoas. Foi um sucesso. Ainda hoje há quem fale neste jogo. Fica a partilha e ideia para os vossos casamentos.

Nota: para ler mais sobre a diferencia entra "gamificação" e "serious gaming (jogo sério)" ver aqui.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...