quarta-feira, 23 de maio de 2018

Caixas enormes e inserts inúteis - opinião por Micael Sousa

Uma daquelas coisas que me irrita são as caixas excessivamente grande de determinados jogos. Quer dizer, também me irritam as pequenas e especialmente os chamados “inserts”. Então vamos por partes, por componentes como nos jogos.

Fonte da imagem: https://www.wsj.com/articles/SB10001424127887324188604578541843266186054

Há jogos cuja caixa é enorme e lá dentro encontramos meia dúzia de coisas. Aquele trambolho vai ocupar muito mais espaço do que seria necessário. Isto a mim irrita-me bastante, pois ando sempre a dizer que os jogos de tabuleiro são produtos sustentáveis. Caras editoras. Ocupar espaço a mais destrói esse potencial, que não é de minimizar. Peguem nisso, desse fator diferenciador para promover os jogos. Os jogos podem ser realmente sustentáveis, a múltiplos níveis, mas ocupar espaço vazio sentido é problemático e insustentável, pois obriga a que tenhamos de ter mais espaço de arrumação, com áreas maiores nos nossos lares, que implicam casas maiores. Com essa necessidade ocupamos mais solo, o que nos força a viver cada vez mais na periferia e com isso a gerar mais viagens para a vida do dia-a-dia. Isto é um verdadeiro problema. Minhas editoras lindas, pensem nisso.

Por outro lado, não se metam a reduzir as caixas ao ponto de não caber nada lá dentro, especialmente quando têm já expansões na manga que não adicionaram ao jogo para nos cobrar mais uns euros mais tarde.

Já os “inserts”, aquelas coisas de plástico moldado que alguns jogos trazem no interior, produzindo divisórias que servem para “organizarmos” os componentes, são quase sempre terríveis. Escrevi “organizar” entre aspas porque o que os inserts mais fazem é: desorganizar os componentes. Quase todos os inserts são concebidos para utilização na horizontal. Mas nós guardamos e transportamos os jogos na vertical. Os jogos que guardo empilhados na horizontal esmagam-se com o peso. E como as caixas são volumosas, quase sempre para nada, nem sequer têm sustentação para serem empilhados de forma resistente uns sobre os outros. Já não consigo contabilizar quantos inserts mandei para o lixo ou quantos tenho de manter para dar estrutura e solidez à caixa tendo de recorrer na mesma a sacos. Depois quanto penso que aquilo eventualmente contribuiu para o jogo ser mais caro ainda fico mais irritado. Metam pelo menos uma tampa nos inserts, como acontece no Feast for Ódin ou no Francis Drake.

Bem. Em resumo parece que há aqui muito para fazer na indústria no que toca à otimização das caixas dos jogos. Só para não dizerem que só digo mal há um jogo que queria destacar pela positiva. Clans of Caledonia tem imensas peças, não tem “inserts” e os sacos servem perfeitamente. Tem uma caixa pequena/média cabendo lá tudo, sendo um eurogame de dimensão considerável. Sigam este exemplo. Vamos lá pensar “dentro da caixa”. Os clientes agradecem.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...