sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Glass Road - Análise por Micael Sousa

Estamos na Alemanha, algures pelas florestas da Bavaria a tentar fazer vidro durante o final da idade média e princípio da era moderna. Glass Road é mais uma criação do conhecido designer Uwe Rosenberg, criador de Agrícola, Le Havre, Caverna e outros hits dos tops de jogos de tabuleiro.
 

No entanto, ao contrário dos outros grandes jogos do mesmo autor, que demoram quase sempre mais de duas horas a jogar, este consegue-se jogar em cerca de metade do tempo, pouco mais de uma hora. Apesar disso não deixa de ser um jogo de gestão de muitos recursos, com imensas opções e caminhos para a eficiência que leva à vitória. Ganha quem fizer mais pontos, e os pontos obtém-se através da construção de edifícios e produção de bens, especialmente de vidro e tijolos.

A grande originalidade de Glass Road são as suas mecânicas, especialmente duas delas. Primeiro, a gestão de recursos, que acontece com duas rodas que obrigam a uma dependência entre todos os recursos. Ou seja, quando aumentamos determinados recursos, eles são consumidos automaticamente, segundo as regras dos ponteiros, produzindo vidro e tijolos. Esta mecânica é tão estranha que é normal os jogadores só a dominarem no final de fazerem um jogo inteiro. Pode ser um verdadeiro quebra-cabeças.

Segundo, a escolha das ações. Este jogo não tem trabalhadores para colocar no tabuleiro e escolher ações. Não é um “Worker Placement”. As ações são escolhidas através de cartas dos baralhos individuais dos vários jogadores, têm todos a mesma variedade de cartas. No entanto, para cada turno só podemos levar 5 cartas, logo, 5 potenciais ações. Jogaremos sempre 3, mas se conseguirmos intuir quais as ações que os outros jogadores irão fazer durante as suas 3 jogadas obrigatórias e guardarmos essas cópias das cartas jogadas pelos nossos adversários na mão podemos jogar as 2 adicionais também. Melhor ainda, se conseguirmos prever as jogadas alheias, para além da jogada adicional, o jogar adversário joga só metade do poder da sua ação. O jogo ganha assim uma interatividade muito pouco comum num jogo do género (eurogame).

Os jogos são sempre diferentes, pois os edifícios disponíveis para construir serão sempre diferentes e porque a interatividade entre jogadores gera alguns efeitos imprevisíveis.

Tenho só a apontar o facto de alguns edifícios serem muito melhores que outros, podendo
desequilibrar imenso o jogo. Mas não é grave de todo, pois há sempre muitas opções e tudo depende das estratégias que cada um seguir e da otimização que fará para chegar primeiro aos edifícios mais poderosos. Se não chegar a esses, pode sempre experimentar outras opções menos evidentes mas igualmente proveitosas.

Em conclusão, está aqui um médio grande jogo!
 
Jogo: Glass Road
Ano: 2013
Avaliador: Micael Sousa
Tipo: Gestão / Estratégia
Tema: Medieval / Renascimento
Preparação: 10 minutos
Duração: 75 minutos
Nº de Jogadores: 1 - 4
Nº Ideal de jogadores: 2 -4
Dimensão: Média
Preço médio: 40€
Idade: 12+

Qualidade dos Componentes: 9
Dimensão dos Componentes: 7
Instruções/Regras: 9
Aleatoriedade: 9
Replicabilidade: 9
Pertinência do Tema: 7
Coerência do Tema: 7
Ordem: 7
Mecânicas: 10
Grafismo/Iconografia: 9
Interesse/Diversão: 9
Interação: 8
Tempo de Espera: 9
Opções/turno: 9
Área de jogo: 8
Dependência de Texto: 7
Curva de Aprendizagem: 6

Pontuação: 8,46


Para apreciadores de gestão e estratégia
 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...